Artigos

Embora não exista tratamentos para diminuir os danos causados pelo Alzheimer, existem formas eficazes que os cuidadores e familiares podem usar para estagnar os sintomas. Unindo com medicamentos receitados pelo geriatra, podem melhorar a qualidade de vida do paciente retardando a progressão da doença.

Pacientes portadores de Alzheimer podem apresentar vários sintomas como esquecimentos, perda de concentração, dificuldades de realizar tarefas mais complexas, irritabilidade, agitação, dificuldades com a fala, depressões, ansiedade, mudança de humor, desmotivação, entre outros. Independente dos sintomas e do grau de avanço, o cuidador precisa informar-se sobre a doença e construir um bom suporte para oferecer sua ajuda. O apoio e compreensão dos familiares e/ou cuidadores pode fazer toda diferença.

Dispor de muita paciência é primordial, afinal o cuidador lidará com várias situações cansativas e desgastantes como responder as mesmas perguntas várias vezes por dia, acompanhar tarefas como banho, trocar de roupas e até mesmo apresentar-se como se nunca tivessem tido contato.

Como o sintoma mais comum é perda de memória, manter a mente do paciente ocupada é outro fator importantíssimo, já que quanto mais atividade o cérebro tiver, melhor seu funcionamento. Exercícios como jogos, montagens, palavras cruzadas, caça-palavras e ler são bem-vindos. Eles estimulam bastante o trabalho do cérebro. Assim como atividades físicas que, além de saudáveis, tem o poder de dar mais disposição e bem-estar, além de evitar sintomas de depressão.

Outro passo, é manter-se atento, pois pacientes portadores dessa doença não aceitam ou não percebem suas limitações e acabam perdendo-se quando saem sozinhos. Tem risco, inclusive, em ambientes familiares. Esquecem o fogo aceso, eletrodomésticos como ligados, etc. De uma forma sutil e carinhosa, ajude nas tarefas que percebe haver mais dificuldade.

Conversar, ouvir e contar fatos mais recentes podem ajudar muito, já que a memória passada é a mais recordada e a recente acaba ficando mais confusa. Procure citar nomes dos familiares e amigos mais próximos, assim como espalhar fotos com os respectivos nomes abaixo para deixar sempre em contato com a memória.

Cuidar do cuidador também é necessário. O trocadilho parece bobo, mas isso é essencial. Revezar a supervisão dos cuidados com outra pessoa é o primeiro passo. Além de atividades que façam bem como caminhar no parque, ir ao cinema, encontrar amigos ou outra atividade que dê prazer. Isso evitará possíveis enfermidades por conta do estresse. Afinal, ter outra pessoa doente na família seria mais um enorme problema, não é mesmo?

Infelizmente tratando-se de uma doença degenerativa, aos poucos os efeitos podem agravar com o tempo. De qualquer forma, seguir essas dicas pode colaborar para uma boa convivência dentro do lar, já que o tratamento é apenas paliativo.

Outra ótima opção, é procurar ajuda especializada para que esse caminho seja mais fácil de ser trilhado. A Evolua pode te ajudar com isso. Quer saber mais? Entre em contato com a gente pelo telefone (11) 98141-4806.

Envie sua mensagem

Atendemos no conforto de sua casa. Solicite uma visita para avaliação!

Entre em contato

O diferencial do nosso trabalho está no atendimento individualizado e no acompanhamento evolutivo que é feito a cada sessão.

telefone(11) 9.8141-4806

emailEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

facebook@evoluareabilitacao

Responsável técnica

Luciana Gardin
Fisioterapeuta Coordenadora
CREFITO: 3/29860-F