Artigos

Chegar aos 60 anos pode assustar muitas pessoas, mas com certeza é uma dádiva e deve ser muito bem aproveitada. A experiência adquirida é a primeira grande vantagem. A maturidade também colabora com um novo olhar para o mundo. E se você quer mesmo viver intensamente, curta a sua chegada à Melhor Idade!

Afinal, agora você tem mais sabedoria e benefícios: fila especial, vagas restritas à idade, não paga alguns transportes públicos, se diverte pela metade do preço...

Mas, assim como em qualquer época da vida, criar uma rotina, fará você desfrutar com qualidade tudo que conquistou até agora. 

Vamos lá, preparamos especialmente para você que atingiu ou passou dos 60 anos, sete dicas comprovadas para arrasar muito por aí.

Dicas

Vida Social

Não é porque a idade avançou que sua via social acabou. Encontre os amigos para bater um papo ou tomar um café. Saia para dançar. Namore, sim, namore muito. Faz bem pra alma e pra autoestima. 

2 – Faça exames preventivos

Essa é uma dica para todas as idades, mas após os 60 é mais importante. Sabemos que a imunidade do idoso começa a cair e alguns problemas ósseos também são comuns. Além disso, seu corpo vai revelar tudo que fez de errado ou comeu durante tantos anos. É preciso ficar atento para tratar qualquer problema bem no início. Lembre-se, você vive bem, mas não é mais um BROTINHO ;)

3 – Atividade Física

Assim como os exames, atividade física é importante em qualquer idade. Só é preciso ficar atento e consultar especialistas sobre qual a melhor e mais indicada para você. Alguns exercícios podem “forçar” demais a parte cardíaca, por exemplo, e talvez seu coração não esteja preparado. Assim como coluna, joelhos... A melhor dica disso tudo, é que NUNCA é tarde para começar!

4 – Alimentação saudável

Provavelmente você se entupiu de besteiras ao longo da vida por trabalhar fora, estudar, cuidar da família...o reflexo de tudo isso já afeta seu corpo. Então, agora, talvez seja o melhor momento para desfrutar de uma boa e tranquila alimentação. Muita salada e legumes devem estar sempre presentes. Frutas e sucos naturais. Muito líquido (ajuda na memória e o idoso precisa muito se hidratar). Criar horários para se alimentar também colabora para o bom funcionamento do intestino. E é claro, um pedacinho de bolo ou de chocolate não faz mal a ninguém. Ruim mesmo é passar vontade <3

Não seja orgulhoso

Faça tudo para ser independente sim, mas não tenha vergonha ou orgulho de pedir quando necessário. É normal algumas limitações aparecerem com a idade. A visão já não é de longo alcance. A coluna menos ereta. As pernas não andam como antigamente. E daí? Com certeza você se adaptará. Pedir ajuda também é um excelente exercício... para a alma! E ficará muito mais fácil se puder contar com a ajuda de alguém querido para passar por isso. 

6 – Evite medicamentos desnecessários

Nós falamos que a idade pode trazer algumas dificuldades e reflexos no corpo. Isso não quer dizer que você tem todas as doenças do mundo, tem que se entupir de remédios e se automedicar. Avalie sempre com especialistas o que deve realmente tomar. Talvez suplementos e vitaminas sejam preventivos. Mas sempre com orientação médica. 

7 – Faça Planos

É comum idosos acharem que porque avançaram na idade, os sonhos acabaram. Faça planos de viajar, dançar, curtir a família...Mas não pare de traçá-los. A vida acaba quando os sonhos acabam, independente da idade que você tiver. Lembrete: A vida é hoje! Aproveite!

No decorrer da nossa vida toda somos levados (ou induzidos) a diversos sentimentos como raiva, frustração, tristeza, angústia, entre outros. Cada sentimento, mesmo os contrários à alegria, são necessários para nossa evolução pessoal. Porém, aprender a lidar com cada um deles, é a parte mais difícil e mais importante também.

A terapia do abraço trabalha esses sentimentos de forma simples, mas muito eficaz. Funciona basicamente por meio de transmissão de energia e contato físico de forma acolhedora.

Já parou para pensar no quanto um abraço pode ser conveniente quando faltam palavras? No momento do abraço, você une seu coração ao do outro e consegue transmitir vibrações como tranquilidade, paz, harmonia, alegria, transformando ou melhorando a qualidade da energia e bem-estar de ambos. Afinal, sentimentos são contagiantes e, se temos o poder de usar essa “ferramenta” a nosso favor e de quem está ao nosso redor, temos mais que abusar desse instrumento.

Além de todos esses benefícios já citados, segue uma lista do que um abraço é capaz:

- Diminuir o nível de estresse – o abraço libera oxitocina que é o hormônio da felicidade e pode afastar sentimentos como tristezas e angústias;

- Regular o sono, apetite e bom humor – aumenta os níveis de serotonina do organismo;

- Controlar a ansiedade e depressões - demonstra afeto, confiança, segurança, conexão, sintonia e cumplicidade dos envolvidos. Isso confirma que o outro não está sozinho;

- Fortalecer o sistema imunológico – a pressão suave de um abraço pode estimular a glândula Timo, responsável por regular a produção de células de defesa do organismo.

- Fortalecer a autoestima – afinal, abraço é carinho e amor. Doação = produção do que se doa. Quanto maior o estímulo desses sentimentos, maior será o retorno para o próprio benefício.

- Efeito Relaxante e revigorante – quem nunca sentiu os músculos relaxados depois de um abraço confortante? Não é impressão, não! Abraços são capazes de aumentar a circulação sanguínea, aliviando as tensões corporais e dores articulares.

Você viu o quão poderoso pode ser um abraço? Não perca as oportunidades que tiver para fazer e receber esse ato de afeto e transmissão de bons sentimentos! Entregue-se a essa prática doando seu melhor e deixando essas vibrações tomarem conta do seu corpo e mente. 😉

Sim, ocupar a cabeça, fazer alguma atividade física, ter lazer e socializar. A dança traz todos esses benefícios em qualquer idade. Por isso, é muito indicada para idosos contra doenças físicas e cognitivas. Leia esse texto sobre os benefícios da dança para quem tem mais de 60 anos. Bora bailar!

A chegada da terceira idade ou melhor idade implica em algumas mudanças físicas e cognitivas que nem sempre são vistas como agradáveis ou fáceis de lidar. Chegar nessa fase e permanecer saudável respeitando essa nova forma de vida é imprescindível.

É necessária aceitação desse momento e consciência de que algumas práticas devem ser adaptadas. Certas limitações podem impedir a prática de alguns exercícios físicos mais pesados, mas esse não é o caso da dança, que tem como maior aliado, o menor impacto.

A experiência com a dança permite autonomia e confiança, já que o processo de aprendizagem é contínuo e estimula toda parte física e psicológica.

A dança tem o poder de unir:

- atividade física benéfica – movimentar-se é tão importante quanto a alimentação, pois previne várias doenças como por exemplo a osteoporose.

A consciência corporal também influi na saúde, afinal a busca é pela qualidade de vida do corpo e da mente.

- prazer e bem-estar – assim como outros exercícios, a dança promove a liberação de substâncias responsáveis pela felicidade e prazer como endorfina, oxitocina, dopamina e serotonina. Ou seja, dançar “provoca” sensações de satisfação e felicidade.

Sem esquecer do quanto a música pode trabalhar a favor do humor. Quem nunca mudou o estado de espírito quando ouviu um som animado ou sua trilha sonora preferida?

- socialização – a dança pode promover grandes laços de amizade e coleguismo, já que, às vezes, é necessário um parceiro (a) para realizar as coreografias. O contato social ajuda a abrir um leque de opções para muitos assuntos com pessoas com o mesmo perfil que você (emocional ou mesma faixa etária – o que contribui para troca de ideias sobre assuntos mais rotineiros próprios da idade).

- Melhora na capacidade funcional - A quantidade de movimentos e ritmos estimula o trabalho motor, ativa cada vez mais a parte mental e de quebra dá

um bom “up” na capacidade cognitiva, afinal, trabalha concentração, coordenação e memória através de coreografias.

O mais importante é aproveitar cada fase da vida da melhor maneira possível, lidando bem com as mudanças que ocorrem inevitavelmente. Afinal, cada fase nos possibilita conhecer diversas possibilidades de diversão e aprendizagem.

Permita-se conhecer o novo e experimente as sensações e benefícios que isso pode trazer!

O maior marco da evolução do ser humano é quando se aprender a andar. Isso caracteriza uma aquisição de independência que não se repete na mesma proporção em outras fases da vida. Exatamente por isso, o fato de perdê-la em algumas situações, pode levar o indivíduo à depressão. Pessoas que apresentam dificuldades de locomoção podem usar de algumas estratégias para tentar manter o maior grau de independência possível, dentro de seus limites. Veja nossas dicas: 


Procure manter o máximo sua rotina mesmo que haja algumas modificações sejam elas temporárias ou efetivas. Por exemplo:

·         Deixar seus medicamentos próximos de onde passará a maior parte do tempo assim como a anotação de horários dos medicamentos; 

·         Procurar fazer toda higiene pessoal logo cedo para assim conseguir programar o resto do dia ocupando o tempo com coisas que não necessitem ajuda de terceiros;

·         Deixar toalhas e produtos de higiene pessoal com acesso fácil para o horário do banho;

·         Manter a mente ocupada com livros, filmes e atividades que trabalhem o raciocínio. É importante realizar tarefas no decorrer do dia para não cair no ócio e na depressão. Ocupe-se! 

·         Não descuide da aparência! Pentear os cabelos, maquiar-se e perfumar-se mesmo que não vá sair, dá um ar de renovação e bem-estar. Não deixe de se atentar a esses “detalhes”.

·         Não se arrisque! Mesmo passando uma vida toda realizando várias tarefas sozinho, não deixe seu orgulho falar mais alto e peça ajuda quando não conseguir fazer algo. Não arrisque sua integridade física se existe um familiar, amigo ou cuidador que já se propôs a isso. Somos seres humanos e estamos sujeitos a precisar de ajuda em vários momentos de nossas vidas.

·         Atualmente, o tema da acessibilidade é muito mais difundido e existem vários locais adaptados e atividades específicas para quem tem alguma dificuldade temporária ou definitiva. Procure informar-se para que consiga realizar algumas tarefas. Um bom exemplo são os quadriciclos ou cadeiras de rodas motorizadas, disponíveis em alguns supermercados e shoppings. Esses locais possuem funcionários treinados para disponibilizá-lo e auxilia-lo no que for preciso. Tente fazer uma vez com ajuda de um cuidador e, se sentir-se seguro, vá deixando a ajuda gradativamente.

·         Verifique também se é possível ingressar-se em alguma atividade lúdica no entorno de sua casa. Hoje em dia, há grupos organizados em diversos bairros que se unem para fazer artesanato, oficinas, workshops e reuniões com os mais diversos objetivos. Dessa forma, você se mantem ativo física, psicológica e socialmente ativo e pode contribuir com a sociedade através de ações de caridade, melhorias urbanas ou até mesmo aprender um novo ofício!

Embora não exista tratamentos para diminuir os danos causados pelo Alzheimer, existem formas eficazes que os cuidadores e familiares podem usar para estagnar os sintomas. Unindo com medicamentos receitados pelo geriatra, podem melhorar a qualidade de vida do paciente retardando a progressão da doença.

Pacientes portadores de Alzheimer podem apresentar vários sintomas como esquecimentos, perda de concentração, dificuldades de realizar tarefas mais complexas, irritabilidade, agitação, dificuldades com a fala, depressões, ansiedade, mudança de humor, desmotivação, entre outros. Independente dos sintomas e do grau de avanço, o cuidador precisa informar-se sobre a doença e construir um bom suporte para oferecer sua ajuda. O apoio e compreensão dos familiares e/ou cuidadores pode fazer toda diferença.

Dispor de muita paciência é primordial, afinal o cuidador lidará com várias situações cansativas e desgastantes como responder as mesmas perguntas várias vezes por dia, acompanhar tarefas como banho, trocar de roupas e até mesmo apresentar-se como se nunca tivessem tido contato.

Como o sintoma mais comum é perda de memória, manter a mente do paciente ocupada é outro fator importantíssimo, já que quanto mais atividade o cérebro tiver, melhor seu funcionamento. Exercícios como jogos, montagens, palavras cruzadas, caça-palavras e ler são bem-vindos. Eles estimulam bastante o trabalho do cérebro. Assim como atividades físicas que, além de saudáveis, tem o poder de dar mais disposição e bem-estar, além de evitar sintomas de depressão.

Outro passo, é manter-se atento, pois pacientes portadores dessa doença não aceitam ou não percebem suas limitações e acabam perdendo-se quando saem sozinhos. Tem risco, inclusive, em ambientes familiares. Esquecem o fogo aceso, eletrodomésticos como ligados, etc. De uma forma sutil e carinhosa, ajude nas tarefas que percebe haver mais dificuldade.

Conversar, ouvir e contar fatos mais recentes podem ajudar muito, já que a memória passada é a mais recordada e a recente acaba ficando mais confusa. Procure citar nomes dos familiares e amigos mais próximos, assim como espalhar fotos com os respectivos nomes abaixo para deixar sempre em contato com a memória.

Cuidar do cuidador também é necessário. O trocadilho parece bobo, mas isso é essencial. Revezar a supervisão dos cuidados com outra pessoa é o primeiro passo. Além de atividades que façam bem como caminhar no parque, ir ao cinema, encontrar amigos ou outra atividade que dê prazer. Isso evitará possíveis enfermidades por conta do estresse. Afinal, ter outra pessoa doente na família seria mais um enorme problema, não é mesmo?

Infelizmente tratando-se de uma doença degenerativa, aos poucos os efeitos podem agravar com o tempo. De qualquer forma, seguir essas dicas pode colaborar para uma boa convivência dentro do lar, já que o tratamento é apenas paliativo.

Outra ótima opção, é procurar ajuda especializada para que esse caminho seja mais fácil de ser trilhado. A Evolua pode te ajudar com isso. Quer saber mais? Entre em contato com a gente pelo telefone (11) 98141-4806.

Envie sua mensagem

Atendemos no conforto de sua casa. Solicite uma visita para avaliação!

Entre em contato

O diferencial do nosso trabalho está no atendimento individualizado e no acompanhamento evolutivo que é feito a cada sessão.

telefone(11) 9.8141-4806

emailEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

facebook@evoluareabilitacao

Responsável técnica

Luciana Gardin
Fisioterapeuta Coordenadora
CREFITO: 3/29860-F